quarta-feira, novembro 07, 2007

Primeira semana no estágio

Como eu disse no último post, vou escrever como foram os outros dias da semana no estágio. Tentarei ser bem sucinta. :)
Na terça-feira passada só tive que ajudar em uma aula de informática com Janne. Me apresentei novamente para a turma. Eu já estava enjoada da minha apresentação, sempre tenho que falar as mesmas coisas e o coitado do Janne tem que ouvir tudo de novo. Enfim, não tem outro jeito. Essa turma só tem estrangeiro eles falam um finlandês que eu consigo entender. Usam palavras simples e falam bem pausado. Um paraíso! No final da aula bateram na porta e eu fui ver quem era. Do lado de fora tinha um grupo de meninos esperando os amigos sairem da aula. No meio desses meninos tinha um brasileiro. Sim! Um brasileiro! Uhuu! Não estou mais sozinha! Conversei com ele rapidamente e ele me falou que toda quarta-feira ele terá aula com Janne, ou seja, comigo também. Fiquei muito feliz. É tão estranho falar português e ninguém que está ao redor entender o que nós estamos falando. É como se estivéssemos contando um segredo em voz alta e ninguém pode entender.
Na quarta-feira acordei cedo e fui ajudar o professor Pavel na aula de matemática. Na verdade é mais parecido com uma aula de reforço de matemática. Todos os alunos tem um livro, fazem sozinhos e no seu ritmo os exercícios e quando tem alguma dúvida nós ajudamos. Então tem aluno que está aprendendo que "menos e menos dá mais" e outro aluno que está fazendo exercícios de geometria. É uma mistureba danada. Nas turmas de Pavel eu não precisei me apresentar, cheguei na sala e fui direto ajudar os alunos.
Senti a mesma dificuldade que na aula de informática, eu sei como resolve mas às vezes faltam palavras em finlandês, por isso não consigo explicar bem. Quando isso acontece uso muito o papel e me esforço para o aluno entender o que eu estou dizendo. Outra dificuldade foi entender o que o problema quer que eu faça. Como já não entendo a questão fica muito difícil saber qual é a resposta. Para esses casos chamo Pavel para nos ajudar. :)
De tarde assisti a aula de Pavel. Não precisava ajudá-lo, fiquei sentada na cadeira como os outros alunos e assisti. Essa turma é muito difícil, acho que todos são adolescentes finlandeses, não sei como Pavel não pira. Tem dois meninos que usam aquelas roupas de skatista: a calça e a blusa são o triplo do tamanho deles, os sapatos desamarrados e o boné para trás. Nesse dia esses meninos chegaram na sala fazendo barulho e chutando as cadeiras. Antes da aula começar, uma outra professora entrou, falou alguma coisa para os alunos e entregou para cada aluno um papel. Um desses meninos pegou o papel, nem leu, amassou e guardou no bolso. Aff! Que falta de respeito! Sem contar as vezes que as meninas "pati" (pati é igual em todo lugar) que sentam lá trás ficam conversando alto, rindo e fazendo barulho. Quando elas têm alguma dúvida interrompem a explicação do professor para dizer (bem alto) que não conseguiram fazer o dever de casa e Pavel calmamente diz que agora ele está explicando outro assunto e que depois corrigirá o dever de casa. Além disso quando o professor falava alguma coisa que estava um pouquinho diferente do livro, as meninas lá de trás, interropiam a fala do professor e gritavam "gente, abram na página x, lá vocês podem ler a teoria desse assunto". Não dá para acreditar a tamanha falta de respeito. Não lembro dos meus anos escolares serem assim. Tenho impressão que o fato de Pavel ser russo faz com que os alunos fiquem à vontade para esculhambar a aula.
Fiquei um pouco triste de ver isso. Não acho certo tratar uma pessoa assim, agora sei, não tenho muito jeito com esse tipo de adolescente.
Depois da aula de Pavel fui para aula de informática de Janne, só que Janne disse para mim um dia antes que não poderia dar a aula e perguntou se eu poderia ficar no lugar dele. Eu disse que não teria problema. Não precisaria explicar nada, só ajudá-los a fazer o trabalho no Word. Sem problemas. Cheguei na sala, expliquei o contexto e me apresentei (como sempre). Depois expliquei o que eles deveriam fazer. Foi um trabalho bem simples, digitar o texto no Word, procurar figuras relacionadas com o texto na internet, colar no texto e pronto! Simples assim! A aula foi bem tranquila, com exceção de um aluno que não parava de falar e de me chamar. Quase pirei.
Na quinta não fui para a escola. Nesse dia fiz uma prova de finlandês e uma entrevista na Omnia (um instituto de preparação vocacional e profissionalizante, eu acho que essa seria uma definição, não tenho certeza) para tentar uma vaga para o próximo ano em um curso preparatório para o mercado de trabalho. Esse curso é voltado para estrangeiros e terá aulas de finlandês, inglês, matemática, direcionamento para vida profissional, etc. Acho que fui bem no teste e na entrevista, o resultado vai chegar no meio de novembro. Se eu conseguir essa vaga, o curso começa em janeiro e já terei alguma coisa garantida para o próximo ano, não ficarei em casa sozinha e irei praticar o finlandês.
Na sexta fui para aula de matemática de Pavel em uma sala com computadores. Nessa turma, os alunos são estrangeiros e cada um faz uma coisa diferente no computador. Eu ajudei dois meninos que usavam o Word para fazer uns cartazes de como jogar xadrez. Foi bem tranquilo, os meninos são uma graça, educados e simpáticos. Adorei!
Essa foi a minha primeira semana. Ainda não sei se estou gostando, é muito diferente de tudo que eu já fiz em minha vida, o idioma, os adolescentes, a dificuldade em ajudar... É tão diferente que não sei dizer o que estou sentindo. Espero que até o final do estágio eu possa dizer algo mais concreto e positivo. :)

4 comentários:

Wagner Saback Dantas disse...

:-D

Olhe o tamanho do meu sorriso?

Esses seus posts são ensinamentos, ensinamentos de vida. Nunca é tarde demais para voltar ao começo. Frase simples, por vezes lugar-comum de tão repetida e maculada, porém de uma verdade perene.

Nunca é tarde.

Beijo carinhoso,
Wagner (ao som de Carlos Paredes [fi] ,[pt], instrumentista de guitarra portuguesa, recomendação de um colega de trabalho luso, recomendo fortemente um download!).

Mauricio Vieira disse...

Parabéns pelo trabalho.

Bom, a única coisa que tenho a comentar é: programar é ruim, mas do jeito que você fala, eu não trocaria por isto aí não =P.

Como cada um é de uma forma (ainda bem!), só posso torcer para que tudo dê certo aí; espero que você consiga passar com folga na prova da Omnia.

Beijos

renata disse...

Olá Carolina
Achei muito bacana seu relato e queria saber se você autoriza publicar um post sobre seu blog e reproduzir parte dos relatos no Yahoo! Busca Educação. Divulgamos sempre projetos na área de tecnologia educaional e sua experiência é muito bacana. Podemos trocar links também? Temos uma seção chamada blogs indicados. []s

Caroline Rodarte disse...

Olá Renata,
Qual é o seu blog?
Vamos conversar mais sobre isso por email? Meu email é carol.rodarte@gmail.com
Beijos e valeu por ter entrado em contato!