sexta-feira, dezembro 07, 2007

Estágio e voluntariado

Eitcha, faz é tempo que não escrevo, não é mesmo?
Sinceramente, esses dias que eu sumi, não estava muito ocupada, acho que a preguiça falou mais alto. :)
Hoje foi o último dia do estágio na escola. O estágio foi uma experiência muito rica. Aprendi algumas palavras novas, conheci novas pessoas e falei finlandês. Foi bom. Vou sentir falta dos alunos estrangeiros. Eles foram muito simpáticos comigo e muito receptivos. As aulas com eles sempre eram divertidas.
Soube por Elena que os três professores disseram que gostaram muito do meu trabalho e um deles, Janne, o professor de informática, disse que se ele precisasse faltar um dia, ele me chamaria para substitui-lo. Dos professores Janne foi o mais próximo, ele sempre que podia puxava alguma conversa e quando eu não entendia nada ele repetia tudo de novo bem devagar, santa paciência! Esse vai para o céu direto. As aulas de Sami (professor de matemática) foram as mais divertidas, eu ria muito com ele, ele é muito engraçado. Pavel (outro professor de matemática) na maioria da vezes usava transparência e por isso foram poucas as vezes que conversamos, mas percebi que ele era uma pessoa muito paciente e muito atencioso com alunos.
Na última aula com cada professor eu entreguei um presente que tinha um saquinho com balas de chocolate e um cartãozinho. Sami e Pavel agradeceram com um sorriso bem grande, Janne agradeceu e me abraçou, achei isso o máximo, quanta intimidade né?! Entreguei para Elena na quarta-feira o mesmo presente e flores para a escola. Ela ficou sem graça e pediu desculpas por não ter comprado nada pra mim. Eu sinceramente não estava esperando nada, queria mesmo era agradecer pela oportunidade que eles me deram. Hoje encontrei com ela na escola e fui me despedir definitivamente. Eu agradeci novamente e ofereci a minha mão para ela apertar. Acreditem, ela não apertou a minha mão, ela me abraçou! Uau! É por isso que acredito que fazendo o bem, recebemos o bem.
Além do estágio, sou voluntária da ONG Pakolaisapu (esse link é para a página deles em inglês). Acho que já falei dessa ONG em outro post, mas não custa nada repetir. Essa ONG foi fundada em 1965 e sua principal tarefa é realizar projetos voltados para os refugiados que estão na Finlândia e no exterior provendo informação, organizando treinamentos e estudos, e buscando financiamentos para os projetos.
Todo dia fico lá durante 2 horas, mais ou menos, falando em finlandês e ajudando em um projeto chamado Parempi Lahja (Presente Melhor). O slogan da campanha é "Dê um presente que não vá parar aqui", o "aqui" é o lixo.


Campanha Parempi Lahja

O objetivo dessa campanha é dar presentes úteis para os refugiados da Liberia, da Serra Leoa e da Uganda e para as pessoas que estão se recuperando da guerra. Os presentes são bem diversificados e divididos em 4 categorias: para pessoas do campo; analfabetos; pessoas que querem trabalhar; e para pessoas que pretendem abrir sua própria empresa. Por exemplo, para pessoas do campo você pode dar desde 5 enxadas por 5 euros até um vaca de 340 euros; para os analfabetos você pode dar desde um kit de material escolar por 4 euros até um programa de alfabetização por 52 euros; para pessoas que querem começar a trabalhar, os presentes são desde um kit de material de costura por 22 euros até máquinas de costura por 84 euros; e para pessoas que querem abrir a sua própria empresa você pode dar um kit para eles montarem a primeira empresa de costura ou outro presente que você achar no site. Acho que os brasileiros que estão no Brasil, infelizmente, não poderão coloborar, mas todos que estão na Finlândia poderão ajudar, o processo para dar um ou mais presentes é bem simples: escolha primeiro o(s) presente(s) que deseja dar e depois pague.
Eu gostei muito dessa campanha, pois quando penso em dar algum presente para alguém penso que deve ser útil, mas se eu não consigo imaginar nada legal eu compro presentes inúteis mas de coração. :)
Quem quiser fazer a mesma coisa em sua cidade, bairro ou instituição entre em contato com essa ONG e tire suas dúvidas, em inglês, sobre o projeto.
Esqueci de dizer o que eu faço nas 2 horas que estou lá. Como vocês bem sabem, ainda não posso ajudar efetivamente nos projetos, escrevendo textos e discutindo questões importantes, pois meu finlandês ainda não é tão bom, então ajudo usando as minhas mãos. Quando chego no escritório da ONG, o qual fica em Helsinki, vou para uma sala cheia de fichários vazios, com um pote de tinta amarela e outro de tinta preta, com algumas esponjas (substituem os pincéis) e alguns moldes com as letras vazadas com o slogan da campanha em finlandês. Pego um fichário e um molde, coloco um pouco de tinta em um pote e molho a ponta da esponja na tinta, depois passo a ponta da esponja por cima do molde e logo em seguida separo o fichário dos outros para secar. Fácil, né? E ainda pratico finlandês quando aparece alguma pessoa simpática para conversar comigo. Todas as pessoas da ONG são muito gentis e simpáticas! Estava precisando de um ambiente assim.
No próximo post conto mais sobre o que fizemos nesse período que não escrevi.

5 comentários:

Teea disse...

Oi Carol,
Que emocionante o final do seu estágio...! Assim aprendeu um pouco mais dos finlandeses também, rs. Parabéns, seu trabalho lá na escola foi bem feito, sem dúvida nenhuma!

um beijo enorme,
Teea

Maria de salete disse...

Muito legal essa sua frase de dar o bem e receber o bem. acredito nisso e é bom ter provas de que funciona mesmo.
O trabalho voluntário como o que vc faz na ong tem essa mesma característica, né? Fazer o bem, mesmo sem conhecer pessoal e diretamente a quem.
Um beijo. Foi bom te reencontrar aqui. Já estava mais do que convencida de que o idioma finlandês é mesmo difícil, de tantas vezes que tinha lido o título do post anterior!!!

jv disse...

vc devia começar um Free Hugs na Finlandia. risos...

Caroline Rodarte disse...

Jv,
Aqui na Finlândia já vimos na rua de Helsinki as duas vezes e nas duas vezes nós abraçamos as pessoas que estavam com os cartazes. A onda é essa! :)

Vinicius disse...

Se prepare para a série de abraços de saudades! Está chegando perto! :-)
Vai rolar até abraço coletivo!