sexta-feira, dezembro 01, 2006

Espinafre e feijão

Esses dias tenho ficado em casa como sempre. Vou me esforçar para mudar essa minha rotina, às vezes é muito chato ficar só no computador e na cozinha comendo alguma coisa, desse jeito desconfio que vou engordar. Eu não gosto de sair sozinha e nem de conhecer lugares legais sem Lu, não tenho com quem comentar e compartilhar a novidade.
Mas prometo que tentarei mudar essa rotina!

Os dias por aqui tem ficado nublados e feios, o sol mal aparece. Quando aparece eu só vejo às 14h e depois se põe às 16h, realmente é muito pouco para uma pessoa que está acostumada com sol o tempo todo. Lu está sentindo mais a falta do sol, é difícil pra ele acordar no escuro. O escuro cansa e as luzes daqui de casa também não ajudam, são fracas. Eu gosto de luzes de 100W só que todas as luminárias que compramos aceitam lâmpadas de até 60W. Acho que teremos que comprar um conjunto de luminárias, colocá-las uma do lado da outra, para poder ter uma casa iluminada de verdade!

Dizem que todos os finlandeses são gentis, mas existem as suas exceções. Alguns motoristas de ônibus, por exemplo, não são tão gentis, eles me olham com uma cara do tipo "o que você quer?", estão zangados com alguma coisa, mas tenho certeza que não estão zangados por causa do trânsito. O trânsito daqui é super tranquilo, todo mundo segue corretamente as leis de trânsito e mal ouvimos uma buzina (eu nunca ouvi, Lu já ouviu uma vez). Para não criar mais nenhum aborrecimento para esses motoristas, eu já aprendi quando eles me olham assim eu entrego o dinheiro e digo "Hei! One, please" (hei = oi em finlandês). Tem ainda alguns casos que eu entrego o dinheiro, digo "Hei! One, please" e eles perguntam alguma coisa que eu ainda não entendi ao certo, mas eu suspeito que seja "você está indo para onde?". Isso acontece, quando pegamos um ônibus dentro de Espoo e esse ônibus vai para Helsinki também. Eles precisam saber para onde eu vou para saber quanto devem cobrar, se será 2,20€ (de Espoo para algum ponto ainda em Espoo) ou 3,60€ (de Espoo para Helsinki). Mesmo sem entender nada, eu digo "Espoo", magicamente dá tudo certo, eles me entregam o troco e o ticket e eu finalizo com "kiitos" (obrigado em finlandês) a nossa longa conversa.
Existem também os motoristas sorridentes e de bem com a vida, para esses não preciso dizer nada só um "Hei!" já é o suficiente para eles pegarem meu dinheiro e entregarem o troco e o ticket, sorrindo, é claro! Sendo sorridentes ou zangados, nenhum deles recebem o dinheiro na mão, eles apontam para uma mesinha que fica do lado deles onde você deve colocar o dinheiro. Eu entendo que fica mais fácil para eles contarem, mas vá fazer isso lá em Salvador, os cobradores te olham com uma cara feia. Lá em Salvador, você deve entregar o dinheiro na mão deles, é mais educado. Vá entender, cada doido com as suas manias!
Por aqui, eu já aprendi então coloco sempre o dinheiro na mesinha sem peso na consciência. Só uma coisa ainda não me acostumei, para qualquer quantia em dinheiro (eu já testei até 20€) eles têm troco. Eu sempre fico receosa de entregar uma nota de 20€ para uma passagem de 3,60€, é trauma soteropolitano. Se eu fizer isso em Salvador, é capaz do cobrador olhar com cara feia e dizer "tsc, espera aí, não tenho troco. Você não tem trocado?". Essa frase eu ouvia muito em Salvador "você tem trocado?", às vezes o cara até tinha troco mas ele sempre quer trocado, é uma maluquice!
Enfim, já entreguei umas 3 vezes essa nota de 20€ e nada me aconteceu, sempre recebi meu troco. Nas primeiras vezes eu ia no supermercado trocar os 20€, comprava qualquer coisa que estava precisando lá pra casa. Até que ouvi Lu dizendo "você não precisa fazer isso aqui, eles sempre têm troco.", me senti mais tranquila.

Ontem fomos no supermercado, demoramos muito menos do que o de costume, pois já sabemos quais são os produtos que devem ser evitados e os que são desejados. O leite que a gente gosta é o normal (entre o leite light e o gorduroso), a manteiga é a com bastante sal (as outras são meio sem sal para o nosso paladar), o arroz não pode ser pré-cozido (esses tipos de arroz não tem gosto de arroz, é um gosto esquisito) e os pães, na maioria, são deliciosos, é difícil errar!
Encontramos feijão preto cru (até agora só tinha encontrado feijão enlatado já cozido) e espinafre no mercado! O feijão é caro por aqui, 500gr por 3,50€, é um absurdo, mas eu adoro feijão! Para o nosso bem, fizemos essa exceção. :)
Com o espinafre vou poder fazer a torta de espinafre de minha mãe que eu e Lu tanto gostamos! Fiquei muito feliz com essas compras!
Aos poucos estamos encontrando os nossos ingredientes brasileiros por aqui. Nesse sábado vamos conhecer a loja indiana que vende alguns produtos da nossa culinária, soube que lá tem dendê, será se eu consigo fazer uma moqueca? Só falta encontrar o leite de côco ou o próprio côco seco para tirar o leite e a farinha de mandioca para o pirão. E é claro, preciso de uma receita de moqueca de peixe e outra receita de moqueca de camarão. Preciso das duas porque dizem que o peixe daqui não é muito bom, vou verificar isso antes de comprar, mas eu já vi camarão no mercado, então pode ser eu teste primeiro com camarão.
Eu e Lu estamos testando as comidas antes de convidar alguém pra jantar aqui em casa. Assim, seremos as cobaias das nossas experiências culinárias e evitaremos afastar uma possível amizade que já é tão difícil por aqui. Alguns pratos que nós fazíamos em Salvador já testamos e ficaram bons como o peito de frango com shoyu e creme de leite, o strogonoff de carne, o strogonoff de frango e o risoto de brócolis (mas acho que depois que Lu passou mal, nem eu e nem ele queremos repetir esse risoto especificamente). Eu achei o creme de leite para comida muito aguado (aqui existem vários tipos de creme de leite, para o café, para doces e outros que variam a porcentagem, que deve ser de gordura ou lactose, ainda não entendi), para não ficar um molho aguado coloco uma colher de farinha de trigo diluída em água para engrossar e aí fica melhor. Ainda não acertei o arroz, às vezes fica bom outras vezes fica ruim, acho que é por causa da boca do fogão que é elétrica e gruda o arroz no fundo da panela antes mesmo dele ficar cozido e secar. Enquanto não acerto, faço arroz escorrido mesmo.
A nossa intenção é convidar algumas pessoas aqui em casa para servir um jantar de comida baiana, para isso precisamos testar antes as receitas e os ingredientes, já que vai ser a primeira vez que faremos comida baiana. A falta do dendê faz isso com a gente, saímos atrás de receitas para poder saciar a nossa vontade de sentir de novo esse gosto tão familiar para nós.
Falando nisso, quando comerem um acarajé, comam com vontade saboriando cada pedacinho e lembrem que existem muitos lugares no mundo que não se pode comer essa delícia!
Agora vou indo testar a torta de espinafre, depois eu digo como ficou.

8 comentários:

Anônimo disse...

A onda é aprender a fazer acarajé, caruru e vatapá =].

Sobre o motorista, deve ser vontade de ir ao banheiro. Qndo algum tiver enfezado (heheh, engraçado este adjetivo. lembro quando era criança e deduzi...), vc fala 'bom dia! o céu é azul e sol brilha' pra ver se ele responde 'e eu tou com vontade de obrar': heuahuahuaha.

Como serão os humoristas na Finlândia?

Nääkemin

Beijos

Teea disse...

Oi Carol,
Leite de côco aqui se vende(em lata). Hoje em dia é fácil encontrá-lo em (quase) cada supermercado. Procure onde tem produtos "asiáticos" ou algo assim, ou conservas. Dendê deve ter mesmo em lojas asiáticas, não necessariamente nos supermercados finlandeses. Acho que os brasileiros que moram aqui sabem melhor...
Quanto aos motoristas diria a mesma coisa como antes: aqui infelizmente falta cultura de algum tipo de serviço... e não todos que trabalham com clientes são apropriados a sua profissão :)

beijos, se cuida

vinnie disse...

COENTRU! COMPRA COENTRU! hehehehe
Quanto aos motoristas enfezados fale algo bem baiano pra ele. Não vai adiantar nada mas serve de desabafo: " Colé véi! Tá me tirano de comédia maluco!?"

O creme de leite, eu não sei se vc faz as receitas com soro ou sem soro. Eu gosto de creme de leite bem espesso, então eu deixo uns 15 minutos no congelador, abro e tiro o soro que fica no fundo, bem separado da parte espessa.

Por aqui, muito sol, final de semestre, scrabble com Felipe (um dos caras da república) e pensamentos nas festas de fim de ano. ;-)

Mônica Paz disse...

oi Cá,
Dei muita risada com esse post: seu diálogo com os motoristas... Me divirto muito com essas suas análises e comparações. E um detalhe, com a nota de 20 reais aqui você corre o risco de ser convidado a sair do buzu, pois por lei eles não precisam dar esse troco. Mas as vezes dão assim mesmo e nos xingam toda antes mesmo de darmos as costas rsrsrsr

Cécile disse...

Vinnie dando conselho de cozinha é engraçado... :-)
Por sinal, ele fez aqui o famoso strogonoff de queijo de vocês e ficou uma delícia!
Que bom que vcs estão fazendo amigos por aí! Seus relatos são ótimos de ler! :)

Bjosss

Anônimo disse...

Quer uma receita de moqueca?
eu mando...
Vai ter que comoprar coentro, como disse Vinni. Chama-se coriandre ou coriander, sei lá, em inglês (eu acho)
Bjs
Salete

Anônimo disse...

Oi Caca

Ficamos muito feliz com as suas conquistas,estaremos sempre prontos para ajudar tanto voce como Ju e Yuri. A nossa meta agora é Yuri.
Ainda bem que eu lhe ensinei algumas receitas.Voce sabe fazer medalhão com molho de ervas, muito bem. Cuidado com as massas para não engordar muito.
Beijos Ana e Bosco

Wagner Saback Dantas disse...

Oi, Cá,

Indo direto ao ponto: receitas!

Estou experimentando cozinhar por aqui também (o que a namorada e a falta de restaurante universitário não faz?).

Entonces, é o seguinte: vou lhe enviar um e-mail agora com um pedido de receitas, ok? Fica mais fácil, embora algum outro possível interessado em receitas e presente nesta seção de comentários não se beneficie do feito. Caso haja alguém, mande um e-mail pra mim (wagners arroba das ponto ufsc ponto br).

Falando em coentro: por cá em Floripa é difícil achar. Só se for no Mercado Público. Dá um cheirinho bom...

:-***
Wagner.
(BR, SC, Fpolis, 11.12.2006, 09h02 - horário de verão)