quarta-feira, novembro 22, 2006

Embaixada Brasileira e Estocolmo

Na segunda-feira acordamos bem cedo, às 8h. Sei que 8h não é cedo, mas como meu referencial ainda é muito brasileiro, quando a manhã ainda está escura, eu acho que é madrugada. O dia por aqui está amanhecendo às 10h (ou seja 8h é madrugada:)) e anoitecendo às 16h. Eu já sinto os dias mais curtos, às 16h, acho que já são 18h e quando são 18h mesmo, acho que já são 20h, até eu acostumar com esse tempo louco tenho que ficar olhando sempre para o relógio para saber se já está na hora de dormir. É uma loucura!
Acordamos "cedo" para ir na embaixa brasileira, tomamos nosso café e fomos até o ponto de ônibus. Quando chegou o nosso ponto, descemos e fomos andando pegar o tram. O tram é um trem que passa nas ruas, ele parece com nossos bondinhos de antigamente, mas ele é mais moderno, é claro! Só que para nossa surpresa não tinha tram no horário que chegamos no ponto e o próximo só iria aparecer de tarde. Decidimos ir andando mesmo. No caminho pegamos uma carona com outro tram e encontramos a embaixada.


Eu e o brasão do Brasil


Lu e o brasão do Brasil


Quando chegamos na embaixada, vimos na parede o retrato de Lula. Como é bom ver um rosto conhecido! :)
Lá na embaixada, nos receberam muito bem. A secretária é uma finlandesa bem prestativa e atenciosa e falava um português bem pausado. Depois chegou uma moça (não lembro o nome dela) que nos cadastrou na embaixada, falou como devemos justificar nossos votos e nos ajudou também a dar entrada na transferência dos nossos títulos para cá. Ela é baiana também! Ficamos felizes de encontrar mais uma representante soteropolitana nessas terras geladas!
Depois da embaixada, Lu foi trabalhar e eu voltei para casa.
Nesse dia Lu tinha levado o resto do risoto para comer no trabalho. Depois que ele comeu o risoto, disse que ficou enjoado, mas mesmo assim, foi fazer seus 30min de bicicleta na Nokia. Chegou em casa enjoado, tomou café e foi tentar dormir. Ele deve ter dormido uns 30 min e só voltou para dormir depois de ir duas vezes no banheiro para vomitar. Fiquei com muito medo dele ficar doente ou ter alguma coisa mais séria. Imagine se ele passa mal? Eu não sei falar uma lasca de finlandês e quase nada de inglês, ia demorar para explicar o que aconteceu, já que teria que ser tudo na base da linguagem universal: a mímica. Não gosto nem de pensar nisso!
Na terça-feira ele acordou melhor e foi para o trabalho. Nos encontramos no final da tarde, fomos descobrir lá na estação de trem onde a gente poderia comprar as passagens para Estocolmo. Descobrimos o lugar, mas já estava fechado. Então, decidimos voltar lá no dia seguinte.
O dia seguinte é hoje. De acordo com nossos planos, fomos comprar as passagens da gente e de Salete. Deu tudo certinho, vai ser nossa primeira viagem, estamos muito ansiosos.
Passagens compradas, eu e Lu fomos almoçar e depois cada um seguiu o seu rumo, eu fui para casa e Lu para o trabalho.
Sempre volto sozinha para casa de ônibus e quando se anda muito de ônibus sozinha, você começa a reparar coisas que você não repararia se estivesse acompanhada. Percebi como as pessoas aqui são silenciosas, até quando estão conversando, elas conversam baixinho, näo é aquela gritaria dos ônibus de Salvador. Sinceramente? Eu prefiro a gritaria, não gosto do silêncio. :)
Percebi também que os ônibus são ótimos para tirar aquela soneca (nesse caso prefiro o silêncio:)). Seria tão bom se tivesse um ônibus desse na época que eu estudava lá no Campo Grande em Salvador e tinha que passar quase 1h dentro do ônibus para voltar para casa. O motor não faz barulho, as ruas não tem buracos, as janelas são fechadas para manter o ambiente bem quentinho e como em cada janela tem dois vidros não escutamos nenhum som de fora (não sei a real utilidade dos dois vidros, acho que deve ser por causa do frio e da neve). É um lugar perfeito para dormir, só dá pra sentir o balanço do ônibus! É muito tranquilo!
Eu nunca dormi no ônibus, pois o trajeto que faço, na maioria das vezes, é curto e não dá sono. Mesmo que desse sono tenho medo de perder o ponto, ser acordada por um finlandês falando várias coisas que não entendo e ficar perdida por aí. Seria quase um pesadelo, só que acordada!
Mudando de assunto, tenho uma boa notícia: recebi a resposta de uma pessoa do UNICEF a respeito de trabalhos voluntários. Ela me convidou para ajudar a montar uma árvore de natal no próximo domingo, lá em uma rua em Helsinki. Parece que no domingo acontecerá alguma coisa nessa rua. Eu e Lu já sabíamos desse evento e tínhamos nos programado para aparecer por lá, o bom é que agora temos mais esse motivo!

9 comentários:

Anônimo disse...

Vc parece ter mto medo de se perder, e etc.

Lembro da viagem pra Floripa, eu e Deus ficamos em algum lugar e voltamos de onibus. Perdemos o ponto, ele foi lá nas canasvieiras (sei lá), e demorou 1 hora pra chegar no ponto perto da pousada da gente.

Imagina se eu fiquei preocupado?

Uma das primeiras coisas que procurei fazer em Natal foi arrumar motivo pra pegar onibus para lugares diferentes.

Ainda acho q não conheço mto bem a cidade, mas certamente muito melhor que quase todos os outros colegas de mestrado 'estrangeiros' como eu. ;)

Faz o seguinte: pega um buzu pra um lugar que vc nao sabe onde é, por exemplo até o fim da linha caso vc durma. E veja como volta. Aí vc pode ficar despreocupada pq se dormir, vai saber voltar depois, e nao precisa sentir este panico antecipado.

Sobre o buzu com 2 vidros, imagino q 'beleza' deve ser o verão.

O mesmo pro sol... Se ele só 'funciona' das 10 às 18 agora, no verão vai 'funcionar' das 06 às 22. Aí vc vai dizer o que é melhor, noite durante o dia ou dia durante a noite =]

Anônimo disse...

Outra idéia, um dia eu experimentaria gritar no onibus pra ver qual a reação das pessoas.

Eulina Lordelo disse...

Oi, Carol, boas notícias, não? Xoisas pra fazer... legal. Os dois vidros são para isolar o frio lá fora, com certeza. No seu apartamento deve ser assim também, se você observar bem. E no verão, deve ter ar condicionado no ônibus, é claro. Enquanto isso, nós aqui curtimos o ventinho entrando e mais a poeira, e mais o barulho, e a poluição, enfim, mundos diferentes. E, a propósito, a que horas Lucas começa a trabalhar? Merry Christmas for you.

Beijos

Eulina Lordelo disse...

Uma dica:

Carol, não deixe de procurar as lojas da Crus Vermelha Internacional que vendem roupas usadas, elas devem existir aí em Helsinque também. Tem coisas legais e geralmente é super barato, às vezes tem coisas totalmente novas.

Beijos

Mônica Paz disse...

Oi Cá, vocês estão ótimos nas fotos.

Coloca um mapa na bolsa e encara desbravar essas ruas em neve, menina!

Beijos

viracocha disse...

Aqui em Santos não me dei com o sistema de transporte coletivo.
Em todo esquina tem um sinal.
Como Santos é pequeno, é melhor ir a pé do que de buzu as vezes. É irritante o trânsito daqui!

Eulina Lordelo disse...

Carol, esqueci de lhe dar uma sugestão. Na Noruega, as cidades têm bibliotecas públicas muito boas. E nas cidades maiores, há uma grande seção de literatura em línguas estrangeiras. Eu nunca li tanto na vida, muitos livros em português e um monte em espanhol me fizeram companhia. Será que aí não tem essas bibliotecas?

vinnie disse...

Kerol, to achando 'bala' seu blog. Dá pra fica sabendo de tudo! :-)
O de lucas é muito resumido, fala pra ele largar de ser preguiçoso.
E o lance do Finlandês, não se acanhe: quando tiver face a face com alguém falando qualquer coisa em finlandês, dispare: OPATCHÔ!!! Ele vai ficar assustado também, mas é a melhor forma de dizer: "eu ainda não sei falar o seu idioma de maluco!"

Aqui em São Paulo, eu fui aprendendo aos poucos a me locomover. Minha primeira saída foi com adrenalina a mil. Mas toda vez que eu saía e voltava pra casa eu olhava num mapa que eu comprei pra saber qual foi o caminho que eu havia percorrido aquele dia. Isso me ajudou muito a memorizar o nome das ruas e por onde passam os ônibus, além de dar uma noção de direção muito boa.

Outra coisa legal foi sobre o filme brasileiro que vcs assistiram. Eu senti isso de forma parecida, quando estava apenas há um mês aqui. Aluguei Cidade Baixa e putz... ver Salvador na tela, e todas aquelas gírias, naquela saudade que eu tava, realmente é indescritível. Pra vcs aí deve ter sido mais sensacional ainda.

Beijossssss!

Beijossssss!!

jv disse...

o silêncio no ônibus não é porq as pessoas são silenciosas naturalmente, mas porque o ambiente fechado (vidros fechados) estimula isso.

Se vc pegar um ônibus com ar condicionado em Salvador, as pessoas tb ficam mais silenciosas.